quarta-feira, 20 de novembro de 2019

corta-mato escolar 2019

O Corta-Mato Escolar do AE de Gondifelos, estava previsto para o dia 14 de novembro, todavia foi adiado devido às difíceis condições climatéricas e decorreu no dia 18 de novembro, no recinto exterior da escola Sede do Agrupamento.

A manhã desse dia esteve ensolarada e propícia para a realização da atividade, que reuniu pelas 09: 30h, cerca de 400 alunos participantes de todo o território educativo, envolvendo, para além da escola sede, os jardins-de-infância e as escolas de Cavalões e Outiz.
Como tem sido habitual nestes últimos anos letivos, as inscrições foram abertas aos Encarregados de Educação do AEG, que participaram de forma significativa na prova e também como espetadores, pretendendo-se ir ao encontro dos objetivos preconizados no Projeto Educativo, nomeadamente, “Envolver os pais no acompanhamento e apoio dos seus filhos e promover a sua participação na dinâmica do Agrupamento”.

Os participantes demonstraram, apesar de alguma ansiedade que é comum nestas provas, empenho e entusiasmo pela atividade, tendo os três primeiros classificados, conquistado as medalhas correspondentes à sua posição, assim como todos os participantes receberam um delicioso lanche.




quarta-feira, 23 de outubro de 2019

a lavagem correta das mãos

No dia 23 de outubro a nossa escola recebeu a visita de três simpáticas e atenciosas Enfermeiras que ensinaram os alunos a lavar corretamente as mãos. A sua higienização é muito importante porque as usamos para muitas coisas como, por exemplo, comer, daí ser importante estarem bem lavadas e desinfetadas quando mexemos em algum alimento.
Foi super giro assistir a um vídeo sugerido pelas Enfermeiras sobre este tema e verificar, através de duas máquinas que utilizam uma luz negra de Néon, se tínhamos as nossas mãos bem lavadas ou não. Zonas brilhantes significam que estão bem lavadas, zonas escuras significam que não estão bem lavadas.




sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Hora do Conto - A Noite Diferente

Em meados de Janeiro a escolha de Outiz voltou a receber a professora Joana Sousa para a hora do conto.

Como estávamos no início do novo ano e esta era a época das janeiras e dos reis, a professora decidiu trazer-nos um texto apropriado para esta altura do ano. Assim, ao longo de mais de 40 minutos, ela animou o conto "A noite diferente" de António Mota. Com muitos gestos, canções e instrumentos musicais ficamos a conhecer esta tradição tão portuguesa que o António Mota viveu quando era pequeno.

Aqui fica um pequeno resumo dessa manhã fria de Inverno vivida na escola de Outiz.


segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Compasso Pascal em Outiz




No dia 5 de abril o primeiro ciclo e pré-escolar da comunidade de Outiz juntaram-se para celebrar o Compasso Pascal. Foi na escola EB1 de Outiz que os alunos do segundo e terceiro ano, receberam os colegas mais novos  do Jardim de Infância de Outiz e da Creche Nossa Senhora da Guia.

Durante a manhã os alunos mais velhos, com a ajuda de alguns pais e mães foram preparando o espaço para receber os colegas mais novos, mas também o Padre Nuno e o Compasso Pascal.

Este ano a celebração pascal teve um formato diferente: em vez de os meninos se encontrarem com Jesus na sua casa, foi a vez de eles receberem Jesus na escola. Para isso o pavilhão da escola de Outiz foi enfeitado com desenhos, cartazes flores e uma verdadeira mesa de Páscoa, cheia de doces e bolos. A Associação de Pais até construiu um maravilhoso tapete de flores para receber o Compasso Pascal. 

 De tarde, à hora marcada, organizou-se um cordão humano de crianças, ao longo da entrada da escola, que ao som da canção "Girassol" receberam  o Compasso Pascal com a Cruz, o Padre Nuno e os acólitos que tocavam as sinetas pascais.
Lá dentro cantaram-se músicas pascais, o senhor padre Nuno deixou algumas palavras para todas as crianças e todos tiveram a oportunidade de beijar a cruz. Este foi um momento vivenciado com respeito, ternura e admiração, pois algumas crianças, principalmente as mais novas,  beijaram a cruz pela  primeira vez.

No final todos se dirigiram para a rica mesa pascal e partilharam um lanche, sorrisos e muita brincadeira. Esta atividade proporcionou um convívio  saudável e alegre entre todos os elementos desta comunidade.

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Maletas Pedagógicas: Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave



No dia 7 de maio de 2019, por volta das 14h, tivemos uma visita especial na nossa escola. O Senhor João, um técnico do projeto “Maletas Viajantes” da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, veio contar uma história muito interessante. Com ele trouxe uma mala gigante, a que chamou Maleta Pedagógica.

Feitas as apresentações, começou a contar a história da região do Vale do Ave, no século XIX, e de uma família que vivia do sustento que a terra dava. A história conta-nos, então, a vida da família da Adelaide, uma menina que, desde cedo, começou a trabalhar numa fábrica têxtil para ajudar a sua pobre e humilde família. Adelaide tinha dois irmãos. Todos acordavam às 6h 30min para irem trabalhar para as fábricas e a distância de casa deles até às fábricas era cerca de 6 Km para lá e para cá. A sua mãe tinha de acordar às 6h para fazer a marmita para o almoço que durava só 30 minutos e onde apenas comiam uma sopa. Os ingredientes da sopa eram: água, batatas, cenoura raspada, nabos, espargos e beterrabas que eram os alimentos que a terra dava. Todos em sua casa trabalhavam no campo e na fábrica para poderem ganhar o sustento pois a vida era muito difícil. 

O senhor João explicou que uma família neste tempo trabalhava à volta de 10 a 12 horas por dia ou até 18, passando a maior parte do dia a trabalhar: ou no campo, ou na fábrica têxtil. Até as crianças, como a Adelaide e seus irmãos, tinham de ajudar a ganhar dinheiro. Não iam para a escola nem tinham brinquedos como os meninos de agora. Adelaide, para além de trabalhar na fábrica também trabalhava no tear, em casa, para fazer roupa para a família. 

Na fábrica têxtil trabalhava-se muito as matérias-primas como o linho e o algodão e assim nasciam os tecidos. 
O Senhor João disse que aqueles tempos eram muito difíceis e que as pessoas tinham que trabalhar mas não tinham com quem deixar os seus filhos. Foi então que começaram a pensar em arranjar uma espécie de casa para os filhos dos trabalhadores ficarem enquanto eles trabalhavam. Daí veio a ideia das creches. Também começaram a surgir manifestações dos operários para estes terem melhores condições de trabalho, aumentarem os seus ordenados e reduzirem o horário de trabalho.

Com o passar dos anos a fábrica da Adelaide foi diminuindo a sua produção, acabando por encerrar. Anos depois, a fábrica transformou-se no Museu da Bacia do Ave, acabando por se chamar Museu da Indústria Têxtil.

No fim da sessão, O Senhor João disse que se nos portássemos bem poderíamos ir visitar o Museu da Indústria Têxtil, o que nos deixou muito contentes e ansiosos pois, hoje em dia, este museu é visitado por imensas pessoas, sendo um museu que dá orgulho ao Município de Vila Nova de Famalicão.

A Maleta Pedagógica ficou completa com uma visita de estudo ao Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave que os alunos realizaram no dia 17 de maio. Vejam a reportagem.

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Animação de Contos na Escola




No dia 12 de março, passou pela escola de Outiz a atriz Inácia para contar duas histórias: "Um Chá não toma um Xá..." e "Camilo, o Camelo na Selva". Contudo ela decidiu criar uma história ainda mais interessante ao misturar os dois contos originais. Assim, ao logo de mais de meia hora, os alunos tiveram a oportunidade de participar na construção e na dramatização de uma história inédita.

No final todos mostraram o seu agrado pelos fantásticos minutos passados a navegar pela selva, pelo deserto e pelo castelo do Xá. Alguns meninos até tiveram a oportunidade de levar para casa livros autografados por esta atriz.

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Mostra Comunitária de Outiz




No dia 16 de março de 2019 a freguesia de Outiz celebrou a sua mostra comunitária.
Foi um espaço onde as associações de Outiz tiveram a oportunidade de mostrar o seu trabalho e aquilo que fazem ao longo de todo o ano.

Os alunos da escola EB1 e do Jardim de Infância de Outiz também participaram na festa com algumas canções que têm vindo a ensaiar ao longo do ano.

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Corta-mato escolar 2018




O Corta-Mato Escolar do AE de Gondifelos decorreu no dia 21 de novembro de 2018, durante a manhã, com início às 9:30h, onde mais uma vez a ameaça de chuva se fez sentir.
Contudo os cerca de 345 alunos participantes de todo o território educativo, envolvendo jardins-de-infância, bem como as escolas de Outiz, Cavalões e Gondifelos, não esmoreceram, tendo participado de forma massiva e entusiástica.

Devido à ocorrência de aguaceiros, o início da competição ocorreu dentro do pavilhão onde foi marcada uma pista com sensivelmente 40m para a prova dos alunos dos jardins-de-infância. 

Seguidamente, com a melhoria do tempo, as restantes provas realizaram-se no exterior no percurso previamente marcado para os vários escalões etários.

Os participantes, apesar das condições de tempo pouco favoráveis, demonstraram grande empenho e foram recompensados com a presença antecipada do Pai Natal, vestido a rigor, com surpresas dentro do seu saco.
Os três primeiros classificados, conquistaram as medalhas e todos receberam um reforço alimentar. 

Realizou-se pelo terceiro ano consecutivo a prova de corrida para pais/família, tendo participado seis Encarregados de Educação do AEG.

sexta-feira, 12 de julho de 2019

Hora do conto - A Lenda do Galo de Barcelos



Em novembro de 2018 os alunos da escola de Outiz tiveram a oportunidade de ficar a conhecer mais um livro que a Biblioteca Escolar de Gondifelos escolheu para eles. 

Desta vez a professora Joana trouxe para a escola "A lenda do Galo de Barcelos" de Maria José Meireles, com deliciosas ilustrações de  Joana Quental. Mas como uma simples leitura do livro não lhe conseguia fazer justiça e sendo a professora Joana uma Barcelense de coração; a apresentação da história tornou-se um verdadeiro musical!

Os alunos participaram na história e no final todos ficaram a conhecer melhor Barcelos, a lenda e a história dos peregrinos de Santiago!

No final ainda houve tempo para lançar um desafio que os alunos agarraram com coragem!

sexta-feira, 19 de abril de 2019

A visita de estudo à Lacti Louro



No dia 8 de março, à tarde, os alunos das escolas de Cavalões e Outiz e do Jardim de Infância de Outiz foram de autocarro visitar a fábrica dos queijos “Dom Villas”. À chegada encontramos um belo edifício que alberga a fábrica e os serviços administrativos da Lacti Louro.
Os alunos foram divididos em dois grupos e o nosso grupo começou a visita pela fábrica. Entretanto o outro grupo começou a visita pela sala de reuniões. Nós fomos para uma sala onde havia um armário e uma porta que levava a uma saída de emergência do edifício. Lá vestiram-nos batas e colocaram-nos toucas porque, como explicou o engenheiro Pedro Leite, a higiene e segurança alimentar são muito importantes. Foram-nos dadas 3 regras: em primeiro lugar não fazer barulho; levantar o dedo para questionar e por fim, mas não menos importante, não correr.

Daí em diante entramos numa sala onde tinha o pasteurizador. Esta máquina servia para eliminar todas as bactérias que possam existir no leite. Depois vimos um grande cuba. Esta era uma máquina que, com a devida receita, transforma leite líquido em coalhada. A seguir entramos noutra sala onde se encontravam as câmaras de cura em que os queijos ficavam armazenados a cerca de 6 graus durante 2 semanas para depois serem embalados e enviados para os supermercados. Na sala de cura estavam vários tipos de queijo. Por fim, passamos pela sala onde os queijos eram embalados e etiquetados e fizemos várias perguntas às funcionárias que também estavam a trabalhar de bata e touca. Na sala seguinte foram recolhidas as batas e as toucas pois tínhamos abandonado a parte fabril da empresa.

De seguida entramos numa sala de reuniões onde nos explicaram todo o processo que o leite sofre desde que sai da vaca até ser transformado em queijo. Ficamos a conhecer a história desta empresa de sucesso do nosso concelho e descobrimos que esta fábrica produz vários tipos e marcas de queijo: a mais conhecida é a “Dom Villas”, mas também têm a marca “Villinhas”, que é um queijo feito a pensar nas crianças. Também aprendemos que a Lacti Louro exporta queijo para Espanha, Alemanha, Bélgica, França, Reino Unido, Lituânia, EUA, Canadá, Peru, México, África do Sul e Líbano!

A visita terminou com dois deliciosos mimos oferecidos pela Lacti Louro: um delicioso lanche saudável e um queijinho para levarmos para nossa casa.

Entretanto alguns colegas ainda tiveram tempo de fazer uma breve entrevista com a D. Isabel Soares que respondeu a todas as nossas perguntas.

E foi assim que, sensibilizados para a importância de incluir este alimento nos nossos lanches diários, ficamos a saber muitas coisas novas sobre este derivado do leite.